Assembleia Municipal #3 - 02 Dez 09

A Ordem de Trabalhos de ontem compreendia apenas dois pontos, que já "transitavam" da sessão anterior:

1. Proposta de contratação de empréstimo para obras comparticipadas por fundos comunitários;
2. Proposta de contratação de empréstimo para investimentos.
Por proposta do Sr. António Ventinhas (PS) e com o acordo da mesa, foram discutidos conjuntamente os dois pontos na generalidade.

O Sr. Ventinhas apresentou uma extensa lista de críticas de ordem formal ao documento apresentado para apreciação, ao que o Sr. Presidente da Câmara respondeu considerar que a Assembleia tinha em seu poder todas as informações necessárias para o acto em questão, uma vez que estava em causa a aprovação da contratação de empréstimos e não a qualidade, oportunidade ou prioridade das obras incluídas na lista de investimentos a financiar e que, na devida altura, seriam apreciados.

O Sr. João Dinis (PS) manifestou a sua satisfação pela inclusão da intervenção na Ribeira da Perna Seca no conjunto das obras a financiar, lamentando apenas a demora verificada.

O Sr. Joaquim Batista (PS) solicitou informação sobre a concretização das obras do Programa Terra em Safara.

O Sr. Ventinhas (PS) voltou a colocar questões de ordem prática e administrativa referentes ao documento.

O Sr. João Gomes (PS) manifestou ter imensa dificuldade em interpretar e analisar o documento que lhe fora enviado. Considerou ainda que encarar o património como motor de desenvolvimento do turismo é ter uma perspectiva extremamente redutora, uma vez que a identidade e o "savoir faire" do concelho têm muito mais a oferecer do que o património que considera discutível, quando comparado com a concorrência. Considera ainda o investimento em equipamentos culturais questionável, em tempos de crise.

O Sr. António Gonçalves (ind.) considerou também que o documento para apreciação estava mal explicado, nomeadamente quanto à localização das obras e manifestou o seu incómodo pelo facto de se construir uma piscina na Amareleja quando não há água nas torneiras.

O Sr. Manuel Bravo (CDU) salientou que a apreciação específica dos projectos não é da competência específica da Assembleia. Defendeu ainda que o documento em apreciação explicava o destino a dar ao dinheiro objecto de empréstimo. Referiu ainda, no que se refere à Ribeira da Perna Seca, ser um problema muito antigo, do qual ninguém quis assumir a responsabilidade, nem sequer a tutela. A resolução do problema implica a realização de obras a montante, o que implica o envolvimento do Ministério. No entanto, já por duas vezes foi recusada, a nível do poder central, a inclusão de verbas no PIDAC para a realização das obras necessárias.

O Sr. João Ramos (CDU) pediu à mesa que houvesse mais cuidado na elaboração dos documentos, para que o Sr. Ventinhas não fosse obrigado a fazer intervenções tão extensas. Chamou a atenção para o facto de 1/3 do investimento total ser destinado a intervenções em linhas de água, que eram da competência do Ministério.

O Sr. Amílcar Mourão (PSD) reforçou a ideia de que deve haver maior cuidado na elaboração dos documentos. Pediu ainda que, durante este mandato, fossem resolvidas duas questões que se arrastam há demasiado tempo no nosso concelho: A Ribeira da Perna Seca e o abastecimento de água às freguesias.

O Sr. Ventinhas (PS) argumentou que provavelmente a Câmara não foi capaz de fazer "lobby" suficiente para pressionar o poder central a resolver a situação. Importa pressionar o INAG para o financiamento das obras, uma vez que o intervalo entre as duas últimas cheias foi de apenas 12 anos.

O Sr. João Dinis (PS) voltou a intervir para declarar o seu apoio à Câmara, pelo esforço que estava a desenvolver para a resolução da situação na Ribeira da Perna Seca.

O Sr. Francisco Farinho (CDU) também interveio, sublinhando o facto de o pedido dos empréstimos a contrair ter bem especificado os fins e rubricas a que se destinam.

Procedeu-se então à votação, sendo a designação das propostas alterada por pedido do Sr. Ventinhas (PS):

1. Proposta de contratação de empréstimo para obras comparticipadas por fundos comunitários, no valor de 4 400 000 €, conforme previsto no mapa anexo 2.
Aprovado por unanimidade.
2. Proposta de contratação de empréstimo para obras não comparticipadas por fundos comunitários, no valor de 5 400 000 €, conforme previsto no mapa anexo 3.
Aprovado por unanimidade.
---------------------
Só para esclarecimento, estava em causa o financiamento de obras como:
  • a já muito falada intervenção na Ribeira da Perna Seca no Sobral da Adiça;
  • a requalificação da Mouraria, da Piscina Municipal e do Mercado Municipal;
  • a ligação da Rede de Esgotos da ETAR de Moura;
  • a remodelação da Rede de Águas e Saneamento do Sobral da Adiça;
  • a requalificação dos Largos da Rua da Fonte Nova, Rua da Escola e Praça General Humberto Delgado na Amareleja;
  • a requalificação da Rua da Fonte de Arouche, em Santo Aleixo da Restauração;
  • a requalificação da zona envolvente do Mercado e Junta de Freguesia de Sobral da Adiça;
  • a piscina de Amareleja
  • o Pavilhão Multiusos das Cancelinhas, em Amareleja
Queria ainda referir que isto não é uma acta, embora desta vez pareça mesmo. Retirei apenas a informação que me pareceu útil e relevante. Obviamente, embora me esforce muito para o evitar, acaba por ter sempre um pouco de subjectividade, porque o que eu acho importante talvez seja considerado "discutível" por outros.

Comentários

  1. tanto barulho, tanto barulho por causa dos empréstimos ... afinal foram aprovados por unanimidade...

    tss tsss

    Lixo Tóxico

    ResponderEliminar
  2. Lixo Tóxico...
    leia o post seguinte. É dos baixos níveis de literacia. estatisticamente, apenas 1 em cada 5 dos membros compreende o que está escrito.

    ResponderEliminar
  3. Anamarafada, você é melhor peça do que eu imaginava ... rsss rsss
    ... eu mando uma acha para a fogueira e você aparece logo atrás com o jerrican da gasolina ...

    tss tsss

    Lixo Tóxico

    ResponderEliminar
  4. Mas não sou tão tóxica...;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário