segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Soneto dos vencidos

Quando subi a serra, alguns troçaram,
Enquanto a multidão, em volta, ria...
E troças e risadas arranharam
Tudo o que em mim sentia e se doía.

Todos os mais, depois, me detestaram,
Por eu não ser igual à maioria.
E, fortes, contra um, cem abusaram,
Enquanto a multidão, em volta, ria…

Fartar, vilões, que estou cansado!
Eis-me – Ecce-Homo! – Nu, prostrado e atado.
Podeis lançar-me à cara os vossos lodos!

Mas eu, quanto mais sofro mais me prezo:
Só o meu orgulho iguala o meu desprezo...
E vingo-me em ter pena de vós todos.
José Régio

3 comentários:

  1. "Despreza tudo, mas de modo que o desprezar te não incomode. Não te julgues superior ao desprezares. A arte do desprezo nobre está nisso.
    (.............................)
    Todos temos por onde sermos desprezíveis. Cada um de nós traz consigo um crime feito ou o crime que a alma lhe pede para fazer." (Fernando Pessoa).

    Vencida tu? Nãaaaaaa... Nã me "paresse". Há um tempo para sofrer, outro para entender. Acho que já estás na fase da arte do desprezo nobre. E nessa, já não há tempo para sentir sequer pena daqueles que abusaram.
    Hoje não assino. O que achas? O Fernando Pessoa também era assim, muitos eus a quererem falar ao mesmo tempo.
    Espero que o Natal tenha sido bom. Desta vez o Menino Jesus chamava-se Zé Maria. Tudo de bom para ele. Suponho que já tenha genes de vencedor, independentemente das armadilhas que a vida lhe reserve.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Obrigada.

    Alguém dizia que "o que não nos mata torna-nos mais fortes". A cada tropeção é preciso recomeçar e acredita, recomeçar para mim já é uma brincadeira. Mas não me consigo habituar aos tropeções, não consigo aceitar as rasteiras e as armadilhas.

    Enfim, o inverno já começou, o que quer dizer que a próxima estação já é a primavera. Ânimo! E obrigada outra vez.

    ResponderEliminar
  3. Prima, a única coisa nesse soneto que associo à tua pessoa é o título, e por razões futebolísticas... :)

    Não sei que pedra se atravessou no teu caminho, mas mando-te um beijo e um abraço apertadinho!

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...