terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Uma subida estonteante do 15º para o 16º lugar.

Apesar do português telegráfico, ou por isso, o título da notícia da LUSA, divulgada ontem às 11.50, era prometedor: "Finanças: Teixeira dos Santos é o 16.º melhor ministro europeu - Financial Times".

Infelizmente, o texto, embora bem-intencionado, não confirmava as expectativas. Teixeira dos Santos é o "16.º melhor ministro [das Finanças] europeu" do mesmo modo que, de acordo com a classificação à 13.ª jornada, a Naval (ou o Portimonense) é a "16.ª melhor equipa da Liga de futebol", com a diferença de que na Liga não há equipas mais mal classificadas que Naval ou Portimonense e, no caso do "ranking" FT dos ministros das Finanças, há três ainda menos "melhores" que Teixeira dos Santos.

O estudo do FT avaliou os ministros das Finanças das 19 maiores economias da UE segundo a sua capacidade política, a sua credibilidade e o desempenho económico do país. Em capacidade política, Teixeira dos Santos foi penúltimo (isto é, "o 18.º melhor") e em credibilidade, antepenúltimo ("o 17.º melhor"). Já no que toca ao desempenho económico, Portugal foi "a 12.ª melhor" entre as 19 economias avaliadas, fazendo Teixeira dos Santos "subir" vertiginosamente de "15.º melhor" do ano passado para "16.º melhor" de 2010.

Já o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, que passa a vida a dar lições a Portugal, não conseguiu mais que o 19.º lugar a contar do fim do "ranking" enquanto Teixeira dos Santos foi 4.º.

Manuel António Pina, no JN


É claro que no meio de tudo isto, há quem ainda consiga ver o lado bom. No blogue dos "Abrantes", como são conhecidos os lacaios socretinos em estado de absoluto desespero, ainda foi possível arranjar maneira de pôr Teixeira dos Santos a progredir no ranking. No ano passado, era o último classificado de quinze ministros analisados e agora é 16º entre dezanove. A mim parece-me uma descida, mas deve ser porque eu embirro um bocadinho com ele.

Sem comentários:

Enviar um comentário