terça-feira, 8 de março de 2011

O princípio de Peter



O princípio é muito simples, e foi enunciado por Laurence J. Peter, professor universitário, num livro que acabou por se tornar um clássico na gestão empresarial:


Num sistema hierárquico, todo o funcionário tende a ser promovido até ao seu nível de incompetência.
Esta máxima significa basicamente o seguinte: Um bom funcionário, geralmente o melhor de cada serviço ou estrutura, é normalmente escolhido para ser promovido a um grau superior, onde se torna incompetente. Vamos a um exemplo prático:

O melhor mecânico de uma oficina, a razão pela qual muitos clientes preferem aquela empresa em relação a todas as outras, é escolhido para suceder ao chefe de oficina, que entretanto se reformou. Era a sua ambição, e como tal, o mecânico fica contente e considera que naquela promoção está a sua realização pessoal. O problema é que ele não tem capacidades de gestão de pessoal, distribuição de tarefas, delegação de competências. De cada vez que aparece um carro com um problema mais complicado, demora o tempo necessário, como fazia no seu tempo de mecânico, a encontrar e solucionar a avaria. Entretanto, o motorista a quem havia sido distribuído aquele trabalho está parado, e o mesmo acontece a todos os outros que entretanto terminaram as suas tarefas e aguardam pacientemente que o seu chefe lhes dê trabalho. O mecânico muito competente tornou-se um chefe incompetente, contestado e gerador de situações problemáticas.

E assim sucessivamente: O melhor vendedor, detentor de capacidades ímpares de empatia com os clientes não é o melhor candidato a chefe de vendas, um lugar de escritório, de competências organizacionais. O melhor professor, criador de laços com os seus alunos e transmissor de conhecimentos, dará um péssimo director de escola, onde tem de gerir equipas, horários e instalações. O melhor cientista, investigador nato, capaz de descobertas extraordinárias dará um péssimo Ministro da Ciência, etc., etc….

Não se trata de inteligência, mas sim de adequar a cada lugar a pessoa com as competências mais indicadas para o lugar. Cada ser humano devia ser capaz de encontrar aquilo que sabe fazer melhor e dedicar a sua vida a fazê-lo, em vez de ser consecutivamente promovido ou colocado em lugares de chefia nos quais será incompetente porque não possui as aptidões necessárias.

É óbvio que todos conhecemos pessoas que se julgam infinitamente mais inteligentes que todos os outros, e portanto, capazes de desempenhar qualquer função com a mesma qualidade. Estes “pavões” já atingiram o seu Princípio de Peter. A preocupação em demonstrar como são insubstituíveis e importantes desvia-os do seu verdadeiro trabalho, ao qual dedicam apenas o mínimo de tempo indispensável. Tornaram-se incompetentes.

Significa isto que devemos deixar de ser ambiciosos e que cada um de nós tem um limite a partir do qual não pode caminhar? Não. Apenas que as ambições devem ser redireccionadas.

Se cada um de nós se ocupar a fazer aquilo que faz realmente bem, toda a estrutura social funcionará melhor, e ser o melhor naquilo que fazemos deve ser a nossa ambição. É claro que toda a gente gosta de ver reconhecido o seu trabalho, e como tal, todos os funcionários devem ser valorizados e premiados pelo seu bom desempenho. A diferença de salários não deveria ter por base a categoria da função desempenhada, mas sim a qualidade do desempenho. O melhor operário deveria ter uma remuneração idêntica à do seu chefe, uma vez que é dele que depende a execução operacional das tarefas.

Mas isto ainda é apenas teoria… E convenhamos, as elites não têm grande interesse em ver divulgado este princípio.

                           

8 comentários:

  1. Gosto do que defendes e da verticalidade com que o fazes!
    Um beijinho para ti.

    ResponderEliminar
  2. bem... reconheço que não me importava de ser o incompetente máximo da minha empresa.

    Gostei do texto.

    ResponderEliminar
  3. Tanto principio para quê? No caso das mulheres basta vestirem-se com roupas provocantes made in china e resulta.

    ResponderEliminar
  4. ... como princípio é interessante ... a sua aplicabilidade na CMMoura aumentaria o número do desemprego em Portugal ...

    LT

    ResponderEliminar
  5. Olhe que não... Quando muito uma reestruturação dos serviços e redistribuição de tarefas.

    ResponderEliminar
  6. ... eh eh eh Zélia, é que há aí alguns que não conseguem fazer nada de jeito em lado nenhum ... ou não querem fazer ... e portanto esses a única coisa que sabem bem fazer é NADA. E quem só sabe fazer nada, não precisa de estar na CMMoura. Nas esquinas e bancos de jardim será o melhor lugar ... mesmo que lhes pagassem o salário, a Câmara só teria a ganhar, não gastavam água, não gastavam luz, não gastavam inutilmente papel nem consumiveis, não gastavam combustíveis e pneus, não apresentavam horas extraordinárias de nada, não poluíam o ar do espaço que ocupam, deixavam de fazer asneiras para os outros corrigirem ... era só lucro ...
    ... porém, não quero ajuizar o todo pela parte e há excelentes profissionais na CMMoura a executarem excelentes serviços e a esses o meu devido reconhecimento ... aos outros, vejam lá se ganham um bocadinho de vergonha e produzam pelo menos um bocadinho que possa pelo menos justificar o papel que a CMMoura gasta a imprimir a folha de vencimentos ...

    LT

    ResponderEliminar
  7. @ anónimo das 20:26
    Zélia, permita-me a ousadia, mas vou mais longe que o comentador supracitado ...
    ... não é preciso vestirem-se, basta serem provocantes ... eh eh eh eh

    Zélia, desculpe ....

    LT

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...