sexta-feira, 24 de junho de 2011

1968-1991-2011







A "minha" Biblioteca celebra hoje 20 anos sobre a inauguração da 1ª fase das obras de remodelação que lhe permitiram estar no grupo das primeiras, a nível nacional, a integrar a Rede de Bibliotecas Públicas portuguesa.


A "minha" Biblioteca está a estourar pelas costuras. Durante estes vinte anos, crescemos de todas as formas possíveis, recusando aceitar os limites impostos pelas grossas paredes que a protegem. Estendemo-nos a todas as freguesias do concelho (caso raro, senão único em Portugal), fomos às escolas e criámos parcerias inéditas e exemplares com a Rede de Bibliotecas Escolares. Reformulámos serviços e implementámos projectos de promoção e difusão da leitura. Criámos o primeiro catálogo colectivo concelhio online a nível nacional e somos referência no funcionamento em rede. Fazemos uma das melhores feiras do livro do país e mantivemos sempre a "porta aberta", de acordo com os preceitos do Manifesto da UNESCO para as Bibliotecas Públicas


Durante estes vinte anos, procurámos sempre, em todos os instantes, cumprir o nosso papel de facilitadores do acesso dos cidadãos ao conhecimento, ao pensamento, à cultura e à informação. Garantimos liberdade, igualdade, isenção. Criámos as condições necessárias para que todos os cidadãos, sem distinção de idade, raça, sexo, religião, nacionalidade, língua ou condição social se sentissem bem-vindos no espaço da Biblioteca e procurámos honrar a confiança depositada em nós enquanto força viva para a educação, a cultura e a informação, e como agente essencial para a promoção da paz e do bem-estar espiritual nas mentes dos homens e das mulheres.


Éramos 4, quando cheguei à Biblioteca, em 1994. Hoje somos 14. Crescemos e procurámos dignificar o trabalho de todos os que por aqui passaram, de todos os que tiveram a coragem e a sabedoria para investir numa Biblioteca, conscientes da ligeireza com que essas medidas são consideradas como supérfluas, mas conhecedores da sua importância e da forma como determinarão o futuro da nossa sociedade. Honra seja feita também a todos os que procuram os nossos serviços, que usufruem das nossas instalações, equipamentos e projectos. É para vocês que trabalhamos, todos os dias, e só convosco fazemos sentido.


Está tudo feito? Não, nem pensar... E o dia de hoje, sendo um dia feliz, deve ser também um momento de balanço. Olhar para trás e analisar o caminho que já percorremos e a forma como o fizemos, mas também olhar para a frente e planificar o caminho que temos de percorrer para afirmar o nosso dinamismo, para crescer enquanto instituição, para cumprir a nossa missão, para honrar os nossos pergaminhos, para servir a nossa comunidade.


Vamos continuar a projectar o futuro.







8 comentários:

  1. Vamos pois!
    Zeza

    ResponderEliminar
  2. Assim é que é! Mas isso dos livros interessa para alguma coisa? As instalações parecem-me dar um bom lar para a terceira idade...

    ResponderEliminar
  3. Gosta-se da forma empolgada e dedicada como falas do que fazes!
    É tão bom estarmos no sítio certo!
    Parabéns.

    ResponderEliminar
  4. está cheia de livros... e ainda falta o do nosso escritor de elite.

    ResponderEliminar
  5. Parabéns Zélia, por este aniversário e parabéns pelo trabalho desenvolvido. Embora não seja leitora assídua da Biblioteca, conheço o vosso trabalho especialmente através das Feiras do livro e um detalhe que me chama sempre a atenção é a alegria e a amizade do vosso grupo. Normalmente onde há tantas mulheres, não é habitual, espero que não me leve a mal dizer-lhe isto, mas há sempre conversas e intrigas. Hoje em dia as relações de trabalho são tão complicadas, com a competitividade e alguma inveja à mistura, que deve ser um alívio trabalhar num sítio assim, ter gosto em ir trabalhar. Parabéns.

    AIP

    ResponderEliminar
  6. Obrigada... em nome de todos. Realmente somos praticamente uma família, embora eu fique a pensar que nesse caso, presumo que eu seja a matriarca, o que significa que tenho uma data de filhos e... netos!

    Mas tem razão, é bom ir trabalhar assim. Nunca pensamos nisso, mas o facto de não pensarmos é bom, é sinal que está tudo bem.

    Mas pode ser mais assídua (como leitora), temos muito gosto em recebê-la, é para isso que estamos lá.

    ResponderEliminar
  7. "A "minha" Biblioteca está a estourar pelas costuras."

    Mas não há uma biblioteca nova?

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...