sábado, 18 de junho de 2011

Sopa de espinafres

Ela chegou primeiro, de mão dada com a filha. Vinha da caminhada, equipamento desportivo, calças justas e t-shirt a deixar ver o umbigo. A menina, que soube mais tarde chamar-se Inês, tinha aquele corpo rechonchudinho próprio dos seus 7 ou 8 anos, óculos e um equipamento cor-de-rosa.

A mãe olhava em volta sem parar, enquanto passava as mãos pelo cabelo. Sentou-se numa mesa e foi nessa altura que ele apareceu. Certificou-se que estacionava no lugar que lhe permitia dar o menor número de passos possível até chegar à mesa, abriu a porta traseira e deixou sair dois miúdos, rapazes.

O comportamento dela, típico de uma fêmea à procura de acasalamento, fez-me pensar que era uma nova família em constituição. Ela com a filha dela, ele com os filhos dele, numa acção de charme infantil, sexta-feira ao final da tarde na esplanada do McDonald´s. Mas rapidamente percebi que não. A cabeça dela continuava à roda como um cata-vento e ele emitia pouco mais que monossílabos. Afinal eram um casal em final de viagem, a tentar desesperadamente ter um jantar vagamente semelhante ao de uma família feliz.

- Já pediste?
- Eu não. Achas que tenho carteira?

São como cristal, as palavras. Algumas, um punhal*, cortam até o ar que se respira. Ele estendeu-lhe a carteira como se fosse um ramo de oliveira, mas só conseguiu fermentar a agressividade.

- Toma.
- Eu é que vou pedir? Eu???!!! Nem fui eu que quis vir aqui. Olha, vou-me calar que já estou a falar alto.
- Ok. O que querem?

Pedidos anotados, surge o primeiro problema: Havia dois tipos de sopa. A menina cor-de-rosa ainda veio com ar doce "Mãe, o pai pergunta que sopa é que queres? Há de espinafres e de..."

- De espinafres! Parece impossível, o teu pai ainda não sabe que eu quero espinafres?

As mãos de unhas vermelhas passam nervosamente pelos cabelos enquanto o olhar continua a procura incessante. Ao lado os miúdos ainda ensaiam umas brincadeiras, mas a mãe não está disposta a ouvi-los.

O pai chegou, com os tabuleiros. Fez várias viagens, mais ninguém se levantou da mesa.

Os miúdos começam a comer mas a mãe insiste em lhes gritar permanentemente "Come!", enquanto lhes dá palmadas nos braços. "Aloooô...! Come! Já me estás a irritar!" Por fim, dirige todo o seu ódio ao verdadeiro alvo.

- Viver contigo é horrível, percebes? O ambiente onde quer que tu estejas, é horrível. Não aguento mais, estou farta!
- Tu é que és horrível, cala-te.

Os miúdos já se calaram. Mastigam em silêncio e de cabeça baixa.

Apeteceu-me levantar da mesa e ir lá dizer-lhes que a vida não tem de ser assim.

A vida não precisa de ser isto. Os vossos filhos têm o direito de viver numa casa onde as conversas não sejam sinónimo de agressão. Têm direito a viver em paz com as pessoas de quem gostam. Têm direito a estar com os pais sem que estes estejam permanentemente a agredir-se, insultar-se, humilhar-se. A vida pode ser muito mais do que uma eterna discussão porque o outro ainda não sabe que a sopa preferida é de espinafres.
                         
* Eugénio de Andrade, As Palavras

2 comentários:

  1. Pois é, prima, mas o que se continua a discutir é o número de divórcios, e o casamento dos homosexuais, e (cruzes canhoto!) a adopção de crianças...

    É a sociedade que temos...

    ResponderEliminar
  2. Pelos visto é a que queremos.

    Ser feliz afinal, nem é difícil, só é preciso encarar as verdades de frente e não insistir em vier com hipocrisias. Mas as pessoas preferem assim, acham que é mais confortável.

    Ainda me hão-de explicar onde está o conforto de uma vida vivida em tensão constante, em guerrilha constante, em agressão constante.

    ResponderEliminar

Sem noção

Isto das fake news está cada vez pior. Vejam bem que agora até dizem que as 3 primeiras figuras da Nação mais o presidente da CML foram...