domingo, 21 de março de 2010

Feira do Livro de Moura: 30 anos | 1992

1992

Em 1992, a Feira do Livro aconteceu de 11 a 18 de Outuro e deslocou-se até ao primeiro andar do edifício do Mercado Municipal. O sentido descendente da Feira parece acentuar-se, e a iniciativa parece condenada à extinção, à semelhança do que acontece por essa altura em muitos outros concelhos que até aí também tinham realizado essa iniciativa.

As vendas são baixas, a participação é reduzida e nem mesmo os descontos oferecidos ao "Livro do dia" conseguem alterar a situação.

imagem retirada do Jornal A Planície



Em 1992, Portugal assume pela primeira vez a Presidência do Conselho das Comunidades Europeias. A 20 de Abril é inaugurada a Exposição Internacional de Sevilha '92. O ambiente e o futuro do Planeta são discutidos na Cimeira da Terra, que decorre no Rio de Janeiro em Junho.

No ano em que Bill Clinton é eleito para a Casa Branca, Xanana Gusmão é capturado em Dili e condenado a prisão perpétua. Em Novembro, o Parlamento da Checoslováquia aprovou a separação do país em duas repúblicas distintas: a República Checa e a Eslováquia.

Portugal lamenta a morte da pintora Vieira da Silva e do herói da madrugada de 25 de Abril de 1974, Salgueiro Maia.

Natália Correia e David Mourão-Ferreira recebem a medalha de honra da Associação Internacional de Arte e Letras de França e José Saramago recebe o Prémio Novelística da Associação Portuguesa de Escritores e o Prémio Brancati-Zafferana (Sicília), pela sua obra Evangelho segundo Jesus Cristo. Urbano Tavares Rodrigues publica Violeta e a noite. Derek Walcott é galardoado com o Nobel da Literatura ''pela sua poesia repleta de luminosidade e ligada a um compromisso multicultural''.

No cinema, é o ano de O silêncio dos inocentes, que arrecadou os 5 Oscars mais importantes da Academia.

Na música, destaque para o português Rui Veloso, que apresenta em 1992 o duplo álbum Auto da Pimenta, concebido a pedido da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses com o ojectivo (não conseguido) de o tornar na banda sonora das comemorações. O selo "de Estado" terá até prejudicado a aceitação do disco pelo público. Foi pena, merecia melhor sorte.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...