terça-feira, 16 de março de 2010

Feira do Livro de Moura: 30 anos | 1988

1988

Em 1988, a Feira do Livro decorreu de 2 a 11 de Setembro, no Jardim Dr. Santiago.

Fernando Dacosta foi o escritor convidado, mas o programa de animação contou também com projecção de filmes em ecran gigante, actuações de Grupos do Concelho e espectáculos de Teatro.

Imagem retirada do Boletim Municipal de Moura

A 1 de Fevereiro, a Notável Vila de Moura é elevada à categoria de Cidade.

1988 foi novamente ano de Medalha de Ouro nos Jogos Olímpicos, desta vez na Maratona Feminina, com o brilhante desempenho de Rosa Mota.

A 25 de Agosto, Lisboa acorda com um incêndio infernal que consome o Chiado, deixando uma cicatriz que demoraria muito tempo a ser recuperada.

O Prémio Nobel da Literatura é atribuído ao egípcio Naguib Mahfouz "pelo seu trabalho rico em imagens ilustradoras dos aspectos realistas, através duma narrativa evocativamente ambígua da vida na Arábia e aplicável a toda a humanidade''.

No cinema, Pedro Almodovar triunfa com o seu "Mulheres à beira de um ataque de nervos", mas o filme do ano é "O último Imperador" que arrecada 9 Oscares.

Na música, a tabela Billboard regista este Faith, de George Michael, como o Número 1 de 1988.

9 comentários:

  1. ZP:
    Aqui vai mais uma pérola, que não merece, pois usa lápis azul ...

    Enquanto decorre em Moura a Feira do Livro de 1988, o Sporting sai nas bancas o nº1 da revista "Sporting Magazine" ... na capa, em grande destaque o Manuel Fernandes e uma pequena foto de Jorge Gonçalves, então presidente do Sporting ... está uma à venda num site de leilões ... e quem a quiser já tem que desembolsar 10,50 euros.

    ... mas há mais ...

    tss tsss
    LT

    ResponderEliminar
  2. Na na na. O meu lápis é verde. Ecológico, percebe? Não deixa entrar toxinas...

    ResponderEliminar
  3. Em 1988 , tive a minha experiência cultural no estrangeiro, mais própriamente em Toledo (Espanha), e que experiência...
    Foi um inter-câmbio cultural, assente na troca de vivências, com algumas experiências bilaterais.
    Foi a cultura ao mais alto nível, quase que fiquei a gostar dos espanhois e de Espanha.

    Anjos Joselito

    ResponderEliminar
  4. É... Foi aí que começaste a tua vida artística.

    ResponderEliminar
  5. ... ainda em 1988

    - Zita Seabra expulsa da Comissão Politica do Partido Comunista Português (Maio)

    - Zita Seabra expulsa do Comité Central do Partido Comunista Potuguês (Dezembro?)

    - Vitor Constâncio é reeleito secretário geral do PS (Fevereiro) .
    - Vitor Constâncio demite-se da liderança do PS (outubro).

    - Ramalho Eanes abandona o PRD (Maio).

    ... ano difici ... mas não havia rendimento mínimo e desenrascaram-se ... moral da história ... se não houver rendimento mínimo ... a malta faz-se à vida ....

    ResponderEliminar
  6. ... ops esquecime de assinar o comentário da Zita e restantes demitidos ...

    tss tsss

    LT

    ResponderEliminar
  7. Tenho achado imensa graça a esta revisão da história da Feira do Livro.
    Duas notas pessoais: a responsabilidade da mudança da feira para o Jardim foi minha. As críticas eram-me dirigidas, portanto. Devo, aliás, dizer que me fartei de levar porrada enquanto estive em Moura enquanto técnico da autarquia (1986-1991). Uma situação que achei chata, mas que, felizmente, não me deixou amargura ou rancor.
    Já agora, o filme "Balbúrdia no Oeste" foi escolha minha. Para os padrões de uma feira de hoje não é uma escolha aceitável. Na altura era.
    Bom trabalho!

    ResponderEliminar
  8. Uma correcção, Zélia. A ideia da montagem no Jardim não foi da minha lavra... O que mudou em 1987 foi o sistema de exposição, uma vez que não foram utilizadas as barracas de madeira. As críticas tinha a ver com isso.

    ResponderEliminar
  9. Caro Santiago
    Como deve calcular, não se pretende aqui avaliar o que quer que seja, apenas mostrar que esta feira já tem um longo caminho, feito de altos e baixos mas que foi capaz de resistir ao longo de 30 anos sem interrupções, o que é um fenómeno raro. Quanto à porrada, é normal. Todos levamos... Mas custa muito, principalmente quando é sem razão.

    ResponderEliminar