sexta-feira, 30 de julho de 2010

...e todos por um

Seis dezenas de amigos estiveram ontem juntos num jantar que não foi de despedida, mas sim, como dizia no bolo, de "até sempre".

Foi uma belíssima noite de Verão, simples e fraterna. Tal como o homenageado.




11 comentários:

  1. Como participante no jantar, a expressão fraterno fez todo o sentido. Passamos a maior parte do tempo com os colegas,deviamos juntar-nos mais vezes.
    Quem só sabe cultivar o mal dizer não participe por favor.

    ResponderEliminar
  2. Muita gente não iria participar de certeza.

    Quase toda a gente cultiva o mal dizer, nem que seja uma vez na vida.

    ResponderEliminar
  3. Sim, mas infelizmente há quem não seja capaz de fazer mais do que isso.

    Voltando ao tema do post, foi realmente uma noite muito agradável, pelo convívio e pela motivo, ou melhor, pela pessoa que nos levou lá e que merece a nossa amizade. Mais uma vez parabéns ao João Ramos. Um abraço.

    ResponderEliminar
  4. Foi sem dúvida uma noite bem passada.

    Parabéns João.

    ResponderEliminar
  5. Muitas vezes não se cultiva o mal dizer , não se diz é o que os outros kerem ouvir.

    ResponderEliminar
  6. No seguimento desta interessante conversa. Ninguém é obrigado a dizer o que os outros querem ouvir. A isso chama-se liberdade de expressão, existe desde o 25 de Abril e tem pouco ou nada a ver com a cultura do mal dizer.
    Foi uma noite bonita, sim senhor.
    Parabéns, João.

    ResponderEliminar
  7. Este primeiro comentário , por favor...Secalhar voce devia ser o primeiro a não participar( quem sabe) Parabéns João!!!

    ResponderEliminar
  8. Bem, o tema está quente. É curioso ter surgido aqui esta discussão, porque a noite foi de facto fraterna. Não houve conversas acerca de nenhum dos presentes nem dos ausentes. Foi um convívio alegre e tranquilo.

    Quanto ao mal dizer, concordo com os comentadores. Apesar de todos já termos, lamentavelmente, dito alguma coisa sobre alguém, há de facto aqueles que fazem disso o seu modo de vida, e todos já fomos vítimas desse género de pessoas cujo grau de frustração é tão elevado, que têm de a distribuir pelos que os rodeiam.

    Mas não foi o caso desta noite. Todos os que ali estiveram, escolheram estar ali, escolheram participar, e o ambiente era de tal forma positivo que, mesmo que algum desses estafermos da má-lingua lá tivesse ido, não o teria conseguido minar.

    E também acho que devíamos fazer isto mais vezes. Ainda ontem, quando fomos comer o que sobrou do bolo, comentávamos isso. Há muito boas pessoas a trabalhar na câmara, muitos colegas que valem a pena e que devemos prezar, muitos potenciais amigos, fraternos e solidários. Não os devíamos deixar escapar, não acham?

    ResponderEliminar
  9. Acho ;O)

    Eu não gosto de festas de despedida..gosto de festas rsrsr
    aliás acho que não foi uma festa de despedida, acho que foi a forma de se juntarmos em torno de alguém que gostamos (muito)e dizer que estamos muito felizes por ele...é um desafio, e o próprio entende que é uma "tarefa" que lhe foi confiada, e nós sabemos que alem de merecer estará à altura. A altura do João é assim como o tamanho de Santo Amador...basta ser-se como se é, sem falsos argumentos..genuíno e puro e são enormes!
    Os comentários sobre a "má língua", neste blog, estão a mais...não faz mesmo sentido!!
    Eu gostei muito, especialmente da surpresa que ele nos fez ;O)..e eu de máquina em punho na esquina contrária :O(
    Não poderá haver muitos mais jantares assim...mas podemos fazer todos os dias por não nos esquecermos do que sentimos quando estamos cheios de bons sentimentos...sabe tão bem!!
    zeza

    ResponderEliminar
  10. Se nós somos tão bons anfitriões para todos que chegam de fora,alguns de proveniência duvidosa,porque não acarinhar aqueles que são filhos da terra e de uma forma ou outra se destacam em qualquer actividade,parabens a todos os joões que nos enchem de orgulho da nossa terra.

    ResponderEliminar
  11. Parabéns. Muita sorte nas novas funções.

    ResponderEliminar

Estrela da manhã

Numa qualquer manhã, um qualquer ser, vindo de qualquer pai, acorda e vai. Vai. Como se cumprisse um dever. Nas incógnitas mãos tran...