terça-feira, 13 de julho de 2010

Varinha mágica

Foi com a solidariedade de todo o Governo e ainda do primeiro-ministro, José Sócrates, que foi possível ultrapassar as dificuldades e efectuar um recuo total a decisão anterior de efectuar cortes nos contratos em curso ou a efectuar com as diversas entidades ligadas à cultura.



"Não será mais necessário fazer cortes no sector da cultura", anunciou a ministra Gabriela Canavilhas no final de uma reunião com diversas plataformas de artes explicando "que já não é preciso proceder às reduções e aos cortes no sector cultural, numa medida articulada com o Governo".

Sem adiantar pormenores quanto às medidas que foram tomadas que permitiram este recuo, Gabriela Canavilhas limitou-se a invocar a "solidariedade" não deixando de referir que reconhece que "é necessário o esforço de todos" para combater a crise.
A ministra frisou ainda e por várias vezes "a solidariedade do primeiro-ministro", José Sócrates, mas também "de todo o Governo" e o "esforço forte" do ministério que dirige para alterar uma medida que não era de todo do agrado da titular da pasta da cultura em Portugal.


"Esta medida, o corte de 10 por cento nos contratos em curso ou a realizar durante o corrente ano e de 12,5 por cento na cativação das verbas do Ministério da Cultura, estava-me a custar horrores", declarou Gabriela Canavilhas ao mesmo tempo que deixava bem claro que "a ministra não desistiu desde a primeira hora" [não se notou nada, mas pronto, acreditamos].

"O Ministério da Cultura só existe porque existem artistas e um sector cultural que deve ser cuidado, regulado e estimulado", concluiu Canavilhas.

Foi preciso o ex Director Geral das Artes demitir-se para acabarem as dificuldades? Porque é que não mandaram o senhor embora logo no primeiro dia?

1 comentário:

  1. "O Ministério da Cultura só existe porque existem artistas e um sector cultural que deve ser cuidado, regulado e estimulado", concluiu Canavilhas.
    Então e o Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social?! Esse também só existe porque existem PESSOAS e um sector humano que devem ser cuidados, regulados e estimulados... Ou será que não?!

    ResponderEliminar

Nenhum homem é uma ilha.

No momento em que passam quatro anos sobre aqueles dias loucos e felizes da minha transferência para Évora, apercebo-me do impacto que a...